5 coisas que você precisa saber sobre o sistema de freios

O sistema de freios é uma das partes mais importantes do veículo, pois está diretamente relacionado com a segurança do motorista e dos passageiros. Além do pedal, há ainda uma série de componentes que fazem o carro desacelerar até o ponto de parar.

Vale a pena entender melhor como funciona essa parte do automóvel, principalmente para quando precisar revisá-lo. Saiba um pouco mais sobre isso!

1 – Tipos de sistema de freio

Existem basicamente cinco tipos de freio, dependendo do modelo do carro. No freio a disco, que é um sistema hidráulico, quando o condutor pisa no pedal, o fluido começa a ser bombeado no cilindro mestre até os outros itens do sistema.

Nesse sistema, as pastilhas de freio a disco são mais resistentes e tem boa durabilidade, por isso a vantagem é a manutenção com custo baixo e fácil substituição.

O sistema a tambor é semelhante ao sistema de freio a disco, mas a pressão do atrito é acionada lateralmente. As vantagens desse tipo de freio é que eles duram bastante tempo. Porém, podem não garantir tanta estabilidade quanto o sistema de disco.

O sistema pneumático também utiliza tambores, mas eles são acionados por ar comprimido e não pressão hidráulica. Esse conjunto costuma estar presente em veículos pesados e de carga.

O freio ABS (Anti-lock Braking System) possui válvulas eletrônicas que evitam o travamento das rodas. Dessa forma, se as rodas estiverem travando, a pressão logo será aliviada.

Essa tecnologia pode ser aplicada aos sistemas a disco e de tambor, para otimizar o atrito do pneu ao solo. Por oferecerem bastante segurança, o freio ABS é oferecido pelas montadoras como um item de série.

Nos carros elétricos, o sistema de frenagem é regenerativo, o que ajuda a economizar a bateria. Outra vantagem desse tipo de freio é que necessita de poucas manutenções preventivas.

2 – Freadas bruscas

O recomendável é que o motorista não faça freadas bruscas com frequência, pois essa atitude pode fazer com que o disco empene e os freios se desgastem mais. Além do mais, o consumo de combustível aumenta durante uma freada repentina.

Conforme ensinado pelas auto escolas, o ideal é diminuir a velocidade aos poucos. O condutor deve prestar atenção a tudo o que acontece ao redor, assim, poderá antecipar situações em que terá que parar o veículo.

3 – Frenagem em curvas

Quando for entrar em uma curva, o motorista deve diminuir a velocidade aos poucos. Se ele deixar para fazer isso já dentro da curva, ele poderá perder o controle do veículo, saindo da pista ou travando as rodas.

Além de envolver mais riscos, esse comportamento prejudica a vida útil do sistema de freios. Portanto, é importante dirigir com cautela, ainda mais na estrada.

4 – Frenagem em declive

Muitos motoristas têm o hábito de descer a rua com o carro em ponto morto. De acordo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), essa prática é proibida, porque pode causar falhas nos freios.

Na descida, o condutor deve usar a mesma marcha que usaria na subida. O uso do freio-motor poupa o sistema de freio, diminui o consumo de combustível e limita a aceleração brusca no declive.

5 – Manutenção preventiva

As montadoras estão cada vez mais investindo em tecnologia, principalmente para garantir segurança aos motoristas e passageiros. Por sua vez, os condutores devem realizar a manutenção preventiva do sistema de freios para que eles durem mais.

O ideal é que haja uma verificação e troca de fluido do freio a cada 10 mil quilômetros rodados ou, aproximadamente, a cada dois anos.

Se ele apresentar um desses sinais, a revisão precisa ser feita o quanto antes. São eles:

  • barulho ao parar: a frenagem costuma ser silenciosa. Mas, caso apresente ruído, pode significar que as pastilhas e discos precisam ser trocados;
  • pedal mole ou duro: cada pedal possui uma pressão moderada. Se o condutor perceber que ela mudou, seja ficando mais frouxa ou dura, é necessário procurar um mecânico. Essa mudança pode ser sinal de que as pastilhas estão gastas ou o cilindro mestre tem algum problema,
  • pedal tremendo: nos freios ABS, a trepidação é comum, porque indica que o sistema está impedindo o travamento das rodas. Porém, o pedal
  • pode tremer também se os discos estiverem empenados.

Quanto mais você conhece o seu veículo, mais fácil é para identificar possíveis problemas ainda no começo. Continue acompanhando o blog da Seminovos Movida e se mantenha informado sobre tudo o que envolve o mercado automobilístico.

Deixe uma resposta